Restaurante
Luciana Valladão

Boa comida leva tempo.
Nós temos a comida, você tem o tempo?

Missão

Servir uma boa comida a preço justo, proporcionando uma experiência agradável em um ambiente aconchegante.


Visão

Firmar-se como uma opção de qualidade e ser sustentável, diminuindo os resíduos e desperdícios gerados no cotidiano. Oferecer o nosso melhor a cada dia, aperfeiçoando o serviço e aprimorando o atendimento. Mais que um restaurante de qualidade, ser reconhecido como facilitador de bons momentos em nosso ambiente.

Quem Somos
Nossa História

Começamos, em 2016, a plantar nossas primeiras mudas de lavanda no sítio Laranja Azeda, em Cunha/SP. Tínhamos, de início, o objetivo de apenas cultivar e destilar o óleo essencial de lavanda. Mas, paralelo à nossa plantação, decidimos aproveitar a experiência de 20 anos em cosméticos tradicionais da nossa fundadora e engenheira química, Anna Maria, e investir em uma pequena fabricação artesanal de cosméticos naturais. Surgiu então a Laranja Azeda Cosmética Artesanal, produzindo cosméticos naturais e veganos, para o rosto e corpo. Seguindo o conceito de “Cosméticos Naturais e Verdes”, a empresa privilegia matérias primas de origem brasileira, como óleos e manteigas vegetais. Utilizamos, na fabricação, o óleo essencial e o hidrolato (subproduto da destilação do óleo) produzidos no sítio, comercializando o excedente. É filosofia da “Laranja Azeda Cosmética Artesanal" produzir, de forma consciente e sustentável, utilizando componentes de acordo com o especificado por certificadoras de produtos naturais e orgânicos, sempre respeitando a natureza. Nossas embalagens são preferentemente de papel, vidro e alumínio (aproximadamente 90%) perseguindo o objetivo de “lixo zero”, reduzindo ao mínimo plásticos ao meio ambiente. Os cosméticos naturais e orgânicos se somam aos cuidados com a saúde, alimentação saudável e rica de nutrientes.



Valores

- Sustentabilidade: eliminar canudos e diminuir a geração de resíduos e o desperdício;
- Ética: uso de ingredientes de qualidade e respeito ao consumidor;
- Higiene: cuidado no preparo dos alimentos e organização na cozinha, além da observância nos padrões de limpeza tanto do salão como da cozinha;
- Disposição: busca pelo melhor, abertura para ouvir o retorno dos clientes, críticas e sugestões;
- Transparência: clareza no serviço oferecido e oferta de um preço justo;
- Acolhimento: investimento constante em melhorias para oferecer um ambiente agradável e proporcionar uma experiência aconchegante.

Se boa comida leva tempo, também não foi do dia para a noite que Luciana Valladão, com dois “l’s” (como ela faz questão de reafirmar), se consolidou como uma chef reconhecida, que mesmo com uma personalidade forte continua lotando seu restaurante seja no almoço ou jantar, seja no sábado de carnaval com o Bloco “Concentra mas não sai”. Formada em Educação Física e pós-graduada em Treinamento Desportivo, Luciana começou sua carreira como cozinheira preparando marmitex há 37 anos atrás. “Não tenho nenhum curso de cozinha, sou autodidata, toda parte de montagem de cardápio do Restaurante foi eu que fiz, com meus conhecimentos e de dom que tenho”, conta. Ao montar uma Choperia chamada “Zingarella”, que em italiano quer dizer “ciganinha”, teve o primeiro contato com pratos à la carte, familiarizando-se com uma culinária mais elaborada. Deixou de lado a carreira de professora para vestir o dólmã, mas a mudança de traje não tornou sua rotina mais simples. Pelo contrário. Cuidava da choperia, cozinhava na empresa de ônibus São José, e cuidava de uma cozinha industrial em Pindamonhangaba.


Luciana Valladão

De professora a cozinheira reconhecida: a trajetória de Luciana Valladão, um dos principais nomes da gastronomia em Guaratinguetá
“Boa comida leva tempo. Nós temos a comida, você tem o tempo?”

A frase que estampou por muito tempo um Outdoor na fachada do Restaurante da Luciana, no coração da cidade de Guaratinguetá, é um verdadeiro manifesto da sua gastronomia. A Chef autodidata Luciana Valladão hoje se orgulha de oferecer aos clientes que visitam seu charmoso restaurante, que também é sua casa, uma culinária despretensiosa, bem feita, que deve ser degustada com calma. É preciso tempo para escolher uma das mesas dispostas no seu quintal, experimentar uma caipirinha feita com fruta colhida do pé, e saborear uma entrada criada com carinho por uma cozinheira que há anos sabe a importância de oferecer uma “experiência” ao cliente, mesmo quando esse termo ainda não era moda.

Mesmo com o excesso de trabalho, sua situação financeira não era das melhores. “Estava mais quebrada do que arroz de quinta, não tinha dinheiro nem pra uma coca cola”, conta a chef com o bom humor e resiliência de quem superou muitos obstáculos ao longo de anos de carreira. Foi então que decidiu fechar a choperia, conversou com a sua família, e transformou o quintal de sua casa em um restaurante onde são bem-vindos os animais, não só os pets dos clientes, mas os passarinhos que vez ou outra pousam tranquilos por ali.
Em 18 anos de Restaurante da Luciana, muita coisa mudou. “Aqui também não tinha nada disso, toda a parte de fora, a parte da cozinha, a parte da copa e do salão de fora foi construído com muito planejamento e com muito cuidado, para a gente não se perder nas contas. Não adianta você fazer uma coisa muito grande depois não conseguir pagar. Fui me recolocando, eu vendia a noite e comprava de dia. Fui tendo um retorno e fui construindo o que eu tenho hoje.”, relembra a chef, enquanto olha com carinho para o local onde lembranças de família se misturam com a concretização da sua carreira na gastronomia. Hoje o Restaurante da Luciana conta com um público diverso. Nos almoços de segunda a sexta é visitado por colaboradores de empresas de região que procuram uma alternativa de qualidade por um preço justo, enquanto que nos jantares e finais de semana é escolhido por famílias, casais e amigos que desejam desfrutar de ótimos pratos de um cardápio vasto

Descubra o prazer de
uma gastronomia incrível